Indefinível

Querido Aurélio, pai dos burros, senhor da razão, esclarecedor mor de dúvidas. Te escrevo ligeiramente encabulado e receoso, esperando que não me interprete mal. Suas ajudas foram imensuráveis (obrigado por essa também) ao passar dos anos, e, não ache que agora me esqueço de tudo que já me fez. Não pense que estou, de alguma forma, rejeitando seus auxílios e praticidade, longe de mim.

Pois bem, o que me acontece é grave, sinto dizer. Acho que, provavelmente, esteja num beco sem saída, uma situação sem volta. Não sei o que fazer e, com sorte, você poderia dar uma mão.

Conheci alguém, o que deveria ser entusiasmante, mas me tem causado extrema tensão. O que me aflige é justamente o quão fantástica ela é. “Fantástica”? O que eu estou dizendo? Ela é muito mais do que isso.
Vê seu Aurélio, é isso, não consigo defini-la. Por mais que eu procure, folheie, pesquise, nada está à altura. Não encontro palavras. Todos os adjetivos impressos em suas folhas parecem pequenos e até, com o perdão, desrespeitosos.
Como poderia descrevê-la como linda, incrível, maravilhosa, excepcional? Nada disso. Não, não, não posso. Seria um ultraje. Seria absurdo.

Só sei fazer desse jeito. Queria, como já fiz com outras, exaltá-la com boas sacadas, textos inteligentes e palavras bonitas. Mas como? Não consigo. Estou perdido e pedindo ajuda.
Inventar palavras poderia ser uma solução, mas não possuo a criatividade e muito menos o renome para tal. Minha cria seria confundida com estupidez completa, e não com estilo literário.

Está entendendo o problema? Se sim,como acha que poderíamos resolver? Claro, eu e você, como um time, como tem sido desde o primário do colégio. Da versão carcomida em miniatura que eu levava na mala, passando pelo gigante exemplar que eu consultava na biblioteca, até a versão metida a besta que eu carrego em forma de aplicativo no celular.

Acha que poderíamos colocar novas palavras em suas folhas? Ou criar novas regras para a língua portuguesa? Algo como: “Se não souber como definir algo ou alguém, apenas deixe um espaço em branco, caracterizando que aquele algo ou alguém é indefinível”. É uma boa, não? Sutil, eficiente. Creio que pode dar certo.

Aguardo resposta e, por enquanto, ao falar dela, apenas direi: Ela é.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s