Boicotes

Na época do colégio, volta e meia os alunos organizavam um boicote à Cantina do Bola. Todo mês alguém vinha na nossa sala com um discurso bem ensaiado, apontando os preços abusivos de Toddynhos e balas Sete-Belo, querendo dar um fim ao monopólio dos recreios.

Lembro que eu achava que aquilo já estava ficando muito repetitivo, e na maioria das vezes não ia a lugar algum. Considerava aquela tentativa pseudo-política dos meus colegas até um pouco ridícula.

Este mês, no entanto, foi provado que aquilo não era nem um pouco ridículo, comparado ao que vem acontecendo. Outro boicote foi proposto, mas desta vez o negócio não tem nada a ver com pré-adolescentes querendo coca-cola a dois reais.

O boicote, agora, deixaria os líderes do movimento anti-Cantina do Bola no chinelo em questão de loucura. Trata-se de um apelo contra a marca O Boticário, que se iniciou após a veiculação de seu último comercial, considerado “ultrajante” e “ofensivo”. Nele, casais, alguns deles homossexuais, se presenteiam em comemoração ao dia dos namorados.

De início, por pura ingenuidade, imaginei que havia envolvida certa inveja, já que hoje em dia é tão raro encontrar alguém, e mais do que isso, alguém que nos dê presentes! Caí do cavalo quando fui informado que esse não era o motivo da tentativa de boicote.

Pelo que parece, mas ainda não sei se é tudo uma grande piada, o movimento contra o Boticário seria simplesmente por a marca mostrar gays em seu vídeo publicitário.

Antes que pensemos, portanto, em cancelar toda a programação da televisão brasileira, do rádio e do cinema, vamos parar para pensar. Primeiramente vou considerar que isso tudo é algo verdadeiro, e não uma pegadinha elaborada por um gênio da internet. Após isso, devemos tentar entender o que levaria alguém a se organizar para boicotar uma marca por causa de um comercial de televisão que mostra homossexuais.

Os argumentos variam dos mais esdrúxulos aos mais cômicos. O mais dito é o tal “vai contra a família brasileira”, que creio se encaixar nos dois exemplos.

Também tem os que dizem que é algo “antinatural” e os que apelam para as crianças, dizendo que elas não entenderiam tal comportamento. A família brasileira, como alguns pintam, se orgulha de sua estrutura sólida, mas não consegue parar e conversar por cinco minutos com seus filhos.

A dificuldade de se aceitar o outro vai muito além do que eu entendia na época da escola como algo ridículo. O boicote à cantina, organizado por jovens na faixa de 15 anos, fazia muito mais sentido que este outro, promovido por dignos engravatados.

Ver os outros felizes, parece, é tão ruim quanto pagar 5 reais em um pastel.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s